Fuvest divulga tema de redação

Recentemente, a Fuvest divulga tema de redação através de sites da internet arquivos com o modelo de redação utilizada pela instituição e o que é exigido de seus candidatos no processo de seleção através de vestibular. Anualmente ocorrem alterações e desta vez em 2012 ocorreram inovações por parte da universidade, pois o tema utilizado foi bastante abrangente e geral possibilitando que os candidatos desenvolvessem muito bem suas características criativas e também de raciocínio dos candidatos, a fundação é conveniada com a USP e anualmente inclui diversos estudantes na instituição de curso superior.
Foram realizadas duas questões onde foi colocado um aviso que é comum em vários locais públicos “Sorria, você está sendo filmado”.
Na questão era solicitado de seus candidatos que as pessoas que não gostam de ser filmadas prefeririam uma mensagem que dissesse o contrário e para atender as pessoas era necessário se reescrever o aviso utilizando a primeira pessoa do plural e fazendo as modificações necessárias. Na segunda questão foi solicitado a definição de gerundismo através do aviso acima, na opinião do concorrente por qual motivo o ocorria.

Trecho do enunciado da prova

Fuvest divulga tema de redação

Fuvest divulga tema de redação

A onipresença do olho mágico da televisão no centro da vida doméstica dos brasileiros, com o
poder (imaginário) de tudo mostrar e tudo ver que os espectadores lhe atribuem, vem provocando
curiosas alterações nas relações entre o público e o privado. Durante pelo menos dois séculos, o bom
gosto burguês nos ensinou que algumas coisas não se dizem, não se mostram e não se fazem em
público. Essas mesmas coisas, até então reservadas ao espaço da privacidade, hoje ocupam o
centro da cena televisiva.

Não que o bom gosto burguês deva ser tomado como referência
indiscutível da ética que regula a vida em qualquer sociedade. Mas a inversão de padrões que
pareciam tão convenientemente estabelecidos nos países do Ocidente dá o que pensar. No mínimo,
podemos concluir que a burguesia do terceiro milênio já não é a mesma que ditou o bom
comportamento dos dois séculos passados. No máximo, supõe-se que os fundamentos do contrato
que ordenava a vida social entre os séculos XIX e XX estão profundamente abalados, e já vivemos,
sem nos dar conta, em uma sociedade pós-burguesa, num sentido semelhante ao do que chamamos
uma sociedade pós-moderna.
Algumas questões referente ao enunciado eram solicitadas porém basicamente com interpretação de texto.