Formas de redação

Características e tipos de linguagem

Características e tipos de linguagem

Muitos dos diversos livros, jornais, revistas, publicações científicas e teses universitárias, diariamente, são corrigidos e também publicados por todo o mundo, a maior parte destes textos possui uma característica bastante comum, são escritos em uma linguagem chamada conceitual. Da mesma forma acontecem com os textos que são derivados de usos mais específicos, como trabalhos de escola, cartas, relatórios, comunicados internos de empresas, normas administrativas, entre diversos outros. Esse tipo de texto é difundido de tal maneira em nossa sociedade que é praticamente impossível organizar a vida sem a sua interferência.
A nossa civilização por questões de tradições passadas de geração em geração ao escrever valorizam o que é objetivo e também científico, por isso nela se faz fixa em grande parte por meio de linguagens conceituais, com algumas características bastante marcantes. No ensaio, por exemplo, é um tipo de texto que podemos claramente perceber que estão presentes estas características. Essas formas de redação se utilizam da exposição e também da discussão de ideias entre diversos outros recursos, para que haja um auxílio na parte do leitor a compreender melhor o assunto que é discutido no texto, assim, resumindo saber redigir sobre um ensaio nada mais é do que dominar o texto e também a linguagem conceitual que o caracterizam e o diferenciam dos demais.

Características e tipos de linguagem

As linguagens utilizadas nos textos poderão ser poéticas ou conceituais, a linguagem poética é o que traz ao leitor uma postura subjetiva, e se tem essa postura em casos como poema, da crônica, do conto, do romance. A forma de linguagem conceitual é aquela que por suas características podem levar o leitor a uma postura subjetiva diante de um texto escrito. A linguagem conceitual é denotativa, racional e pede abstração, possui a tendência a se fixar ou também apoiar em conceitos, leis e também princípios. Um exemplo disso são os livros didáticos que apresentam uma linguagem conceitual.
A linguagem conceitual deve ser utilizada em uma dissertação, para facilitar que o leitor compreenda a mensagem passada e também a proposta do texto, além disso é uma forma mais fácil de se ter foco no que irá escrever.